Pular para o conteúdo principal

Behind Blue Eyes

 Lá está ela. A dama fatal. O cigarro entre os lábios, sendo segurado pelos dentes brancos. Porém ninguém vê isso, porque é o vermelho de seu batom que mancha o tubo de nicotina.
 A figura esguia e alta. Suas curvas atenuada pelo longo vestido negro. Não tão longo. Era longo para um vestido de verão. Acabava bem no meio de suas canelas. O chapéu branco escondia os olhos da donzela (apesar de todos duvidarem de sua virgindade). Azuis, os bem conhecidos olhos azuis-piscina. Ou verdes-mar. Não faz diferença. Eram claros e cristalinos. Contrastavam muito com o tom sempre negro de suas roupas. Ela nunca estava sozinha.
 Menos naquele dia.
 O funeral de um rapaz pobre do Queens. Todos sabiam daquele rapaz.
 O garoto apaixonado que acompanhava a donzela até o carro. Todas as vezes que ela saia do Palace. Ninguém nunca conseguiu descobrir o que ela fazia lá.
 Nem as amigas fofoqueiras de sua mãe. Isso sim foi surpreendente. 
Era um rapaz bonito, morreu com vinte e cinco anos. Era a idade da donzela. 
 Foi muito estranho ela estar desacompanhada. Isso foi praticamente assumir que tinha algo com o rapaz. Mas ela não se aproximou do túmulo nem nada. Ficou no píer, encarando o enterro de longe. Ela não chorou, nenhuma vez.
 O único momento em que ela saiu do seu metodismo de tragar, respirar fundo e limpar as cinzas do cigarro foi para olhar o mar. E nesse momento, seu chapéu caiu. 
 E pude ver os olhos da dama. 
 Os olhos mais puros que cristal. Os olhos clichês. Passei o funeral inteiro encarando-os. Esqueci de meu irmão sendo enterrado.
 E ela se aproximou, sorriu. Me cumprimentou. E me fez uma oferta que não pude recusar. 
 Comecei a acompanha-lá todos os dias que ela saia do Palace. Sem perguntas. Só conversaríamos se eu tivesse assunto. E ela poderia ou não me beijar. 
 Me pagaria cinco dólares por dia.
 No final de um mês. Ela me beijou. 
 Nesse dia, me pagou mais vinte. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porque vamos terminar a garrafa - Vinagre

Nos momentos em que o Sol escondido nas nuvens parece a Lua, e que a Lua durante a noite ofusca a visão como um corpo celeste de brilho próprio é que nos vemos como contempladores. Os aviões no céu brincando com a noção de perspectiva do movimento terrestre, e todos os sentimentos que se tem a necessidade de expressar e que a habilidade nos falta. A habilidade de parar e apreciar.
Não foi até eu perceber que em plenas férias estava correndo que percebi que tinha um problema. Enquanto teoricamente aproveitava o sol e um bom café no terraço, dava cada tragada com força e pressa. Não eram a pressa e angústia de quem queria sorvar o máximo do momento, como as pessoas gulosas pela vida. Era somente a ansiedade de quem tinha algo para fazer. Uma viagem para planejar, pessoas para conhecer, amigos para consolar. Todos os verbos no infinito possíveis, como que se estivessem indicando algo relacionado ao futuro.
 Foi um esforço consciente ter que me permitir aproveitar as sensações daqueles m…

Vamos terminar a garrafa - NPC

- Sabe, mesmo que você realmente seja um idiota, mesmo que eu deveras me machuque. Isso nunca vai ser minha culpa. É um defeito seu se você me machucar, e uma qualidade minha eu pular de cabeça. Nunca pedirei desculpas por correr em direção o pôr do sol.
Com um sorriso sereno, ela fala isso com toda  simplicidade do mundo na mesa do bar, entendia que precisava dar essa certeza para as pessoas, a certeza de que ela compreendia que tudo era efêmero e que estava preparada para um coração partido.
Antes fosse pose tudo isso, lhe facilitaria a vida. Se ela realmente pudesse se culpar, pudesse se fazer de mártir muitas de suas dores seriam justificadas.
Mas não, ela tinha essa consciência de suas escolhas. Sabia diferenciar quando alguém lhe alimentava expectativas e quando ela criava elas mesmas.
Tão atenta de si, mas tão atrapalhada. Oblíqua ao mundo a sua volta, nunca sabia quando estavam gostando dela e por isso nunca sabia quando magoava alguém.
- Não, na realidade você foi bem c…

A nostalgia do que não li

Uma criança linda se agarrava ao cachorro de pelúcia como se sua vida dependesse disso. Todos os seus movimentos eram em torno daquele braço direito que imitava uma asa com o boneco dentro. Sua mãe seguia, segurando-a pela touquinha do moletom que vestia com a mesma naturalidade de quem é levado por um cachorro travesso que avista um ciclista passando. Claro que com muito mais cuidado. Vejo Laura se envolvendo com aquele momento, deixando que toda a subjetividade daquilo tudo, com suas mil e uma metáforas fosse absorvida, e eu fiquei lá esperando a frase de efeito que quebraria o silêncio.
 - É engraçado como cigarros são considerados vícios, mas essas obsessões infantis não.
 - Crianças lá podem discernir o que é vício ou não?
 - E uma garota de treze anos revoltada com a vida pode? É o mesmo tipo de critério completamente arbitrário que determina para quem a culpa vai durante um encontro, ou pior, abuso sexual. O tipo de dependência que aquele menino tem daquele cachorrinho é tão grand…