Behind Blue Eyes

 Lá está ela. A dama fatal. O cigarro entre os lábios, sendo segurado pelos dentes brancos. Porém ninguém vê isso, porque é o vermelho de seu batom que mancha o tubo de nicotina.
 A figura esguia e alta. Suas curvas atenuada pelo longo vestido negro. Não tão longo. Era longo para um vestido de verão. Acabava bem no meio de suas canelas. O chapéu branco escondia os olhos da donzela (apesar de todos duvidarem de sua virgindade). Azuis, os bem conhecidos olhos azuis-piscina. Ou verdes-mar. Não faz diferença. Eram claros e cristalinos. Contrastavam muito com o tom sempre negro de suas roupas. Ela nunca estava sozinha.
 Menos naquele dia.
 O funeral de um rapaz pobre do Queens. Todos sabiam daquele rapaz.
 O garoto apaixonado que acompanhava a donzela até o carro. Todas as vezes que ela saia do Palace. Ninguém nunca conseguiu descobrir o que ela fazia lá.
 Nem as amigas fofoqueiras de sua mãe. Isso sim foi surpreendente. 
Era um rapaz bonito, morreu com vinte e cinco anos. Era a idade da donzela. 
 Foi muito estranho ela estar desacompanhada. Isso foi praticamente assumir que tinha algo com o rapaz. Mas ela não se aproximou do túmulo nem nada. Ficou no píer, encarando o enterro de longe. Ela não chorou, nenhuma vez.
 O único momento em que ela saiu do seu metodismo de tragar, respirar fundo e limpar as cinzas do cigarro foi para olhar o mar. E nesse momento, seu chapéu caiu. 
 E pude ver os olhos da dama. 
 Os olhos mais puros que cristal. Os olhos clichês. Passei o funeral inteiro encarando-os. Esqueci de meu irmão sendo enterrado.
 E ela se aproximou, sorriu. Me cumprimentou. E me fez uma oferta que não pude recusar. 
 Comecei a acompanha-lá todos os dias que ela saia do Palace. Sem perguntas. Só conversaríamos se eu tivesse assunto. E ela poderia ou não me beijar. 
 Me pagaria cinco dólares por dia.
 No final de um mês. Ela me beijou. 
 Nesse dia, me pagou mais vinte. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leblon Holiday

Estrada Revolucionária

Vamos terminar a garrafa - NPC