Cinquenta centavos de lucro

 Teddy estava em Nova York. A matriz da fábrica era lá. E a bolsa de valores também.
 Ele estava tentando convencer os donos da Malboro a aumentarem o preço do maço para US$ 1,00.
 Conseguiu. 
 Aumentou os seus para US$ 0,65.
 Mas foi muito complicado.  
 Entendam, tem todo um processo para aumentar o lucro. 
 A demanda aumenta, o quê faz que eu tenha que falar com Billy. O administrador da fazenda de produção. Ele contrata mais vinte funcionários. Todos asiáticos. Trabalham mais rápido e melhor. 
 Preferimos japoneses. Eles têm algo a ver com o orgulho de trabalho bom e etc.
 A questão é: eles não eram tão baratos quantos os mexicanos. Mas compensava.
 Billy me mandava os relatórios. Que eu passava para o irmão de Teddy, Berny. Um cara brilhante com números. Mas só isso também.
 Então eu começava a fazer a distribuição dos produtos pelas lojas.
 Entenda o quê cada um faz.
 Billy cuida dos empregados.
 Berny, dos números.
 Teddy do resto da administração.
 E eu? Simples. Fazia o resto.
 A parte romântica e trabalhosa da máfia.
 Suborno.
 Assassinatos.
 Pagamentos.
 Sei que Teddy Gianni confia em mim, com a vida dele. Afinal, sou a única pessoa que toca no dinheiro dele. Mas ele ainda não me perdoou por ter roubado os cigarros dele quando tínhamos 14. Senão já tinha me mandado embora. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leblon Holiday

Estrada Revolucionária

Vamos terminar a garrafa - NPC