Pular para o conteúdo principal

your one companion

 Sentada no sofá ela permitiu um suspiro escapar, havia anos já que não se sentia rejeitada desse modo. Não foi um sentimento novo porém quase pareceu como se fosse, afinal ele a pegou de surpresa.
 Deitou no sofá como fazia quando era mais nova, bem mais nova, quando ouvia The Pretenders no rádio e chorava por um antigo namorado. Não havia mais rock inglês e nem lágrimas na cena, mas quão diferente era realmente a cena? Ainda havia um ser humano do sexo oposto no seu pensamento e também se sentia mal por causa dele.
 Se levantou e saiu a andar pelo apartamento espaçoso, deu trinta passos pela sala, acompanhando a parede feita de vidro que era a janela e a porta para a varanda; portas, janelas e divisórias todas feitas de vidro, tudo isso para dar uma maior sensação de amplitude para o ambiente. Mais vinte passos pelo corredor que a porta de madeira branca separa polidamente dos convidados e entrou no quarto.
 O quarto cor de champanhe com detalhes em roxo e marrom, sofisticado, como a personalidade do casal; gostava de pensar que os poucos tons quentes lhe representavam. Continuou caminhando até o closet, onde deixou o robe de seda deslizar pela pele, tentando se lembrar em qual momento de sua vida que trocou moletom e malha por tecidos sofisticados.  
"Finalmente um salário de cinco dígitos. Como comemoraremos?" Thomas riu. "Como mais faríamos?" Clarice abriu a garrafa de vinho. 
 Mas já fazia muito tempo. Dez anos mudam um casal, promoções vem, e a vida passa. 
 Agora vestia renda e esperava pelo marido, o coração doía levemente com o fato de ser ignorada duas noites seguidas em casa, temia pela traição por mais que achasse improvável; não tinha mais idade e nem motivo de se sentir insegura, mas ainda lá estava. Usando todas as suas armas possíveis para desarmá-lo e conseguir uma resposta, vê-lo combater seu argumento, mesmo ela não sabendo qual seria. 
 Começou a cozinhar enquanto terminava a garrafa de vinho do porto que já estava na geladeira; aproveitou a bebida para fazer um tiramisu e ver se a ansiedade passava. Só piorou.
 Se deitou mais uma vez no sofá enquanto a sobremesa gelava, o vinho a havia feito suar e ficar sonolenta, permitiu-se começar a cair no sono, com a esperança de ver o doce fora da geladeira com um pedaço já roubado e com uma manta por cima de seus braços; como os antigos hábitos.
 Haviam passado quatro horas quando acordou com a aurora nos olhos. Braços gelados e sobremesa intacta, assim como a cama perfeitamente arrumada. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porque vamos terminar a garrafa - Vinagre

Nos momentos em que o Sol escondido nas nuvens parece a Lua, e que a Lua durante a noite ofusca a visão como um corpo celeste de brilho próprio é que nos vemos como contempladores. Os aviões no céu brincando com a noção de perspectiva do movimento terrestre, e todos os sentimentos que se tem a necessidade de expressar e que a habilidade nos falta. A habilidade de parar e apreciar.
Não foi até eu perceber que em plenas férias estava correndo que percebi que tinha um problema. Enquanto teoricamente aproveitava o sol e um bom café no terraço, dava cada tragada com força e pressa. Não eram a pressa e angústia de quem queria sorvar o máximo do momento, como as pessoas gulosas pela vida. Era somente a ansiedade de quem tinha algo para fazer. Uma viagem para planejar, pessoas para conhecer, amigos para consolar. Todos os verbos no infinito possíveis, como que se estivessem indicando algo relacionado ao futuro.
 Foi um esforço consciente ter que me permitir aproveitar as sensações daqueles m…

Vamos terminar a garrafa - NPC

- Sabe, mesmo que você realmente seja um idiota, mesmo que eu deveras me machuque. Isso nunca vai ser minha culpa. É um defeito seu se você me machucar, e uma qualidade minha eu pular de cabeça. Nunca pedirei desculpas por correr em direção o pôr do sol.
Com um sorriso sereno, ela fala isso com toda  simplicidade do mundo na mesa do bar, entendia que precisava dar essa certeza para as pessoas, a certeza de que ela compreendia que tudo era efêmero e que estava preparada para um coração partido.
Antes fosse pose tudo isso, lhe facilitaria a vida. Se ela realmente pudesse se culpar, pudesse se fazer de mártir muitas de suas dores seriam justificadas.
Mas não, ela tinha essa consciência de suas escolhas. Sabia diferenciar quando alguém lhe alimentava expectativas e quando ela criava elas mesmas.
Tão atenta de si, mas tão atrapalhada. Oblíqua ao mundo a sua volta, nunca sabia quando estavam gostando dela e por isso nunca sabia quando magoava alguém.
- Não, na realidade você foi bem c…

Incoeso e incoerente

- Você chora?
 - Gosto de falar que não.
 - Você chora.
 - Talvez.
 - Gosta de chorar?
 - Eu nem se quer falei se choro ou não. Como pode fazer uma pergunta tão subjuntiva e irregular?
 - Você sabe o que subjuntiva significa?
 - O suficiente para poder usar numa frase.
 - Por que você chora?
 - Esqueceu da outra pergunta?
 - Não, só que... Ela é irrelevante.
 - Não.
 - Não o que?
 - Não gosto de chorar.
 - E?
 - É por isso que não o faço.